terça-feira, 29 de outubro de 2013

Os 10 Mandamentos Sagrados do Rock'n Roll


Os 10 Mandamentos Sagrados do Rock'n Roll

I: Não escutarás outros estilos musicais senão Rock e derivados.
Tais como Punk Rock, Hard Rock, Rock Alternativo, etc...

II: Deves ouvir Rock e seus derivados pelo menos 10 vezes ao dia.
Eu escuto no minimo 20, então 10 todos devem escutar creio eu!

III: Aceitarás os Rockeiros como sua segunda familia.
A principio todos os rockeiros são irmãos.

IV: Jamais escutarás bandas que não sejam de Rock.
Nada de bandas emos, de pagode, Funk, Sertanejo, nada que não seja Rock.

V: Odiarás bandas pop e ídolos adolescentes.
Jonas Brothers, Justin Vieber, One direction, Restart, Hori, Luan Santana, etc.

VI: Respeitarás bandas clássicas e seus hits.
Tais como ACDC - Highway to hell, Deep Purple - Smoke on the water, entre outros.

VII: Deves ouvir pelo menos 5 músicas da bandas Ramones, Kiss, ACDC, Iron Maiden e The Beatles. Porra todo Rockeiro já escutou essas bandas! Creio eu né.

VIII: Demonstrarás respeito ao estilo musical irmão do Rock o Metal.
A história não sabe explicar qual é derivado do outro, por isso, Rockeiros podem escutar Metal e Metaleiros podem escutar Rock.

IX: Deverás ouvir solos de guitarra do Deuses da Guitarra Jimi Hendrix, Jimmy Page e Eddie Van Hallen frequentemente. Slash e Angus Young são semi-deuses, não me perguntem o porquê, não fui eu que criei os mandamentos!

X: Chutarás a face de todo funkeiro e de todo emo que ousar proferir o nome do Rock em vão. Se um funkeiro estiver com o celular ligado ou um emo estar dizendo que é rockeiro já será um bom motivo para socar sua face.

System Of A Down (SOAD)


System Of A Down (S.O.A.D)

System of a Down (às vezes abreviado para SOAD) é uma banda de metal armeno-americana formada em Glendale, Califórnia em 1992. É composta por Daron Malakian (guitarra, vocais), Serj Tankian (vocais, teclados), Shavo Odadjian (baixo) e John Dolmayan (bateria). O grupo é conhecido pelas visões políticas e sociais que inserem nas letras de suas canções.
"System of a Down". Um nome cada vez mais forte e ouvido. Ainda desconhecido do grande público pelas plagas brazucas, mas em vias de ser cultuado por americanos e europeus. Uma banda de som inclassificável, jogada nas prateleiras do tal Nu Metal (o que chega a ser ofensivo à competência do quarteto).
Banda moderna, da era da MTV, onde o som se mistura ao visual, e dessa sopa se faz um caldeirão de idéias esquisitas, inovadoras, espantosas, com uns barulhinhos eventualmente confundidos com algum defeito no disco ou no aparelho de som. Com três discos (e um E.P., além de singles) lançados, e sem deixar a peteca cair, a banda cai de boca na mídia e suscita interessantes discussões sobre sua verdadeira natureza. A esquisitice esquizofróide dá a tônica dessa história, que guarda certa semelhança com outra banda difícil de rotular: Faith No More, do carismático vocalista Mike Patton. E carisma é o que não falta ao SOAD! A presença de palco do quarteto é simplesmente fantástica, e as músicas são devidamente encenadas! Músicos, atores, artistas. Extremamente pesada quando quer, lindamente melódica do jeito que o rock gosta, uma banda americana com pitadas da Armênia, já que seus integrantes são originários daquele país. Integrada por:
Serj Tankian nos vocais (e teclados), nascido em 21/08/1967;
Daron Malakian na guitarra (e segundo vocalista), de 18/06/1975;
Shavo Odadjian no baixo (22/04/1974);
John Dolmayan na bateria (15/07/1973).
Quatro figuraças cheios de caras e bocas de rolar de rir. Lançaram os discos: System of a Down (1998), Sugar E.P (1998, com apenas sete faixas, entre versões ao vivo e versões variadas do mesmo tema), Toxicity (2001), e Steal This Album (2002), além de alguns singles.
Afora a sonoridade, destacam-se as letras, inteligentes e politizadas. Por conta desse poderoso lado punk (mais para Bad Religion que Ramones), o clip da música "Boom!", que sacaneia Bush, Saddam e cia., foi até proibido na MTV européia. Patético...
Tá, mas como surgiu a banda??? Em 1993, o vocalista Tankian, então um vendedor de softwares na cidade de Los Angeles, conhece Malakian, num estúdio, durante um ensaio. Ambos músicos, ambos de origem armênia, ambos com idéias políticas semelhantes. Enfim, nada como começar uma nova banda! Surgiu assim a "Soil", contando ainda com Odadjian como o "manager" e baixista da banda, e tendo o baterista Andranik "Andy" Khatchadurian, substituído por Dolmayan em 1995, ano em que Shavo se fixou como baixista permanente, deixando a posição de manager. Dessa forma, estava composto o grupo tal como o conhecemos hoje. Um grande mistério é o nome: Por que System of a Down, Tankian? "Vem de um poema do nosso guitarrista, Daron, chamado Victims Of A Down", explica Serj. "Ele trouxe-nos o poema, e System foi escolhido como uma palavra melhor e mais forte. O nome da banda significa um buraco cheio de gente que não é nada mais nada menos que a nossa sociedade." Serj, agora, pede às pessoas para "tirar o significado do nosso próprio nome. Significa diferentes coisas para pessoas diferentes. É essa a sua beleza. É como pintar um quadro na parede e perguntar 'O que acha?' É muito diferente a níveis pessoais e políticos. É de livre interpretação."
Há de se destacar a competência do vocalista. Além de frontman carismático, ele alterna vocais melódicos e guturais, gritados e melódicos, engraçados e soturnos, com absurda facilidade, consagrando-se tranqüilamente como um dos melhores vocalistas de rock da atualidade. Mais uma semelhança com Mike Patton... e, se o FNM coverizou o Sabbath, tocando War Pigs ao vivo, em versão antológica, o SOAD também tem em seu currículo uma releitura sabática. É Snowblind, numa versão esquizofrênica e criativa. Descontrução e reconstrução do clássico da banda que inventou o Heavy Metal.
Quanto aos trabalhos em si, a banda mantém coerência, lançando ótimos discos, sem grandes distorções de um para o outro, no que se refere à qualidade dos trabalhos. Malakian, de sua juventude, curtia Randy Rhoads e Eddie Van Halen, mas cita gente como Jerry Garcia, Carlos Santana, Jimmy Page e The Edge, como músicos que usam poucas notas para dizer muito, e confessa que muito de sua musicalidade recebe influência dos solos melódicos, com estilo árabe, de Dave Murray e Adrian Smith, guitarristas do Iron Maiden.
Defensores dos armênios (povo vítima de genocídio cometido pela Turquia, em 1915), e pouco tolerantes a guerras e violência, explodem em fúria contra os matadores legitimados pela política canhestra e demente que domina o mundo, e mesmo os Estados Unidos. Muitas das letras dizem respeito à violência política e moral de nosso tempo. Além de densas e tensas, as letras são, por vezes, de entendimento difícil, visto que não são escritas de forma tão direta quanto uma música punk tradicional, por exemplo. Mas é possível perceber a escória da sociedade em cada linha. “Humanos em todo lugar / enlatados, pessoas clichês não conseguem ousar”, sobre apatia (CUBErt); “Genocídio de uma raça inteira / levando embora todo o nosso orgulho”, obviamente sobre a Armênia (P.L.U.C.K.); “Batalhões de policiais revoltados / com beijos de balas de borracha / bastão de cortesia / serviço com sorriso”, ironizando a polícia em Deer Dance, além da já clássica “Boom!” (“Toda a vez que você solta a bomba / você mata seu Deus, seu filho nasce”), entre outras, de temáticas diversas, não se atendo apenas às guerras, claro.
Resumo da ópera: banda realmente criativa e inovadora, só de dez em dez anos. Aproveitem, pois o momento é mesmo do SOAD, um grupo que vale a pena conhecer, e que trabalha também algo que anda meio perdido no mundo do rock, hoje: contestação, preocupação social, de forma bem feita, não como mero repetidor de tendências já um tanto ultrapassadas. Metal, punk, melódica, cênica, política, sarrista.